quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Polícia Civil de Piedade relata sequestro de adolescente afirmando que a professora Vera Lucia é mentora e autora do sequestro; na conclusão do caso a Polícia mostra fato novo

 
Vera Lucia Stelzer

    O relatório produzido pela Polícia Civil, em Piedade, aponta inequivocamente que a professora Vera Lucia Stelzer Machado de 51 anos, planejou e executou o sequestro da adolescente D.A.D, no final de junho de 2016, e só desistiu do crime porque soube que a Polícia estava investigando o sequestro em andamento.

    De acordo com a investigação da polícia, a versão apresentada por Vera Lucia de que ela e a adolescente sofreram sequestro é uma farsa para tentar despistar a polícia. A adolescente relatou que fora arrebatada por uma mulher que dirigia um Celta de cor prata e a mulher usava peruca de cor preto, óculos de sol e um lenço envolta do pescoço. 

    Após obrigar a adolescente entrar no carro, a mulher conduziu o veículo para um local desabitado e lá obrigou a adolescente ingerir uma bebida que lhe deixou desacordada. A adolescente reconhece que Vera Lúcia é a autora do sequestro. 

    Na tarde de 29 de junho de 2016, com o sequestro em andamento, uma voz feminina telefonou para um telefone de um comércio pertencente à família da adolescente e exigiu pagamento de R$ 70 mil para libertar a adolescente, e se essa exigência não fosse atendida, a adolescente seria vendida para uma rede de prostituição na China. A família não pagou o resgate e a polícia localizou  a adolescente amarrada dentro de um matagal no Bairro Roseira, em Piedade. 

    A polícia ouviu Claudinei Vieira Martins, que afirmou ter mantido relacionamento amoroso com Vera Lucia por cinco anos e meio, e que três dias depois do sequestro a professora disse-lhe que a versão apresentada por ela (professora) era falsa.

    No curso da investigação, a polícia solicitou quebra do sigilo telefônico do comércio da família que recebeu a ligação da voz feminina e exigiu o pagamento de resgate no montante de R$ 70 mil. O demonstrativo da Telefônica revelou que a ligação foi realizada das 16h47 até as 16h51 do telefone público (15) 3244-0230, instalado na Rua Capitão Antonio Loureiro, conhecida como "Calçadão" no centro de Piedade. 

    A polícia suspeitou que câmeras do sistema de videomonitoramento da Prefeitura poderiam ter registrado imagem de quem teria utilizado o telefone público naquela data e horário, por esse motivo a polícia solicitou imagens do sistema. Ao analisar as imagens, a polícia identificou próximo ao telefone público o carro da professora Vera Lucia, um Hyundai HB 20 de placa EMD 1348. Uma câmera também mostrou imagem da professora saindo do telefone público depois do término da ligação e indo em direção ao carro dela.

    Acolhendo solicitação da Polícia de Piedade, a Justiça converteu a prisão temporária da professora Vera Lucia em prisão preventiva. Para manter a professora atrás das grades a justiça embasou a ordem de prisão entendendo que a prisão era medida necessária para garantir a ordem pública, tendo em vista que o crime em análise é de natureza grave. Vera Lucia encontra-se reclusa na cadeia feminina de Votorantim.

    O segredo da credibilidade é ser fiel ao fato


Nenhum comentário:

Postar um comentário