terça-feira, 11 de outubro de 2016

Delegado Carlos Marinho orienta como cidadão proceder no caso de pessoa desaparecida

    Quando uma pessoa desaparece em Sorocaba, é a Delegacia de Investigações Gerais - DIG que investiga o sumiço na cidade (e nos outros 15 municípios da região que a Delegacia Seccional de Sorocaba cobre), depois que a família registra o boletim de ocorrência. E cerca de 70 a 80% desses registros feitos têm uma conclusão, a pessoa sendo encontrada sã e salva.

    "Em muitos dos casos, as pessoas estavam em casa de amigos e parentes, decidindo ficar por lá sem avisar por diversos motivos, de desentendimentos familiares a passionais, e mesmo em relação de amizade abaladas. A grande maioria é de jovens", explica o delegado assistente da Delegacia Seccional de Sorocaba, Carlos Marinho.

     "Antes de mais nada, antes mesmo de procurar a polícia, a pessoa deve se informar se quem desapareceu está na casa de amigos próximos, de familiares com quem tem muito contato, em hospitais, unidades médicas em que é conveniada, em lugares que costuma frequentar."

    A Polícia Civil instaura o Procedimento de Investigação sobre Desaparecido (PID), e nos trabalhos de investigação e procura, a pessoa geralmente é localizada. Os casos de homicídio nessas situações são mínimos, não alcançando 10%. "Em meio a tudo isso, pode acontecer questões curiosas, como um sujeito que foi preso e não quis comunicar à família. Os familiares, sem saber de nada, acabam fazendo o BO de desaparecimento", comenta o delegado. 

    Quando a pessoa é achada pela família ou amigos, é preciso dar baixa no boletim de ocorrência, procurando novamente o plantão onde se fez o BO para formalizar o encontro da pessoa. Caso isso não seja feito, a pessoa, que ainda é dada como desaparecida, pode ter problemas na hora que for tentar obter algum documento como RG. É muito comum os casos de adolescentes que saem para noite e não seguem o caminho de casa no retorno, decidindo ficar na casa de amigos, sem avisar."

    O delegado também explica a questão de avisar a polícia somente depois de 24 horas. "Isso é um mito popular. Depois de a pessoa fazer o máximo possível para tentar achar quem desapareceu, e se ela está muito fora do horário de rotina em que deveria estar presente, deve comunicar à Polícia Militar, e procurar algum plantão policial para registrar o desaparecimento." Em Sorocaba, há um na zona norte, no começo da Avenida Brasil, e outro na Avenida General Carneiro, junto da Delegacia Seccional.

    Reproduzido do Diário de Sorocaba

Nenhum comentário:

Postar um comentário