Restaurantes, Pousadas e Pizzarias

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Combatendo violência contra mulher

    "Agressão não é amor. Violência contra Mulher é crime". Esse é o lema da campanha "Câmera do Beijo", voltada ao enfrentamento da violência contra a mulher, lançada pelo Governo do Estado de São Paulo nesta semana. O objetivo é conscientizar a sociedade de que quaisquer atos violentos contra a mulher são crimes que devem ser denunciados.

    O ambiente escolhido para a criação da campanha foi um estádio de futebol. A experiência cotidiana dos profissionais que trabalham no atendimento às mulheres mostra que o número de agressões contra mulher aumenta em dias de jogo. O fenômeno, já identificado por um estudo britânico, parece se repetir também no contexto brasileiro, embora ainda não existam pesquisas conclusivas a respeito. 

    "Pela minha experiência e pela vivencia das minhas colegas, posso afirmar que a violência doméstica aumenta, principalmente nos dias de clássicos nos finais de semana", diz a delegada Rose Corrêa, que chefiou por cinco anos a primeira Delegacia de Defesa da Mulher e, atualmente, é presidente do Conselho Estadual da Condição Feminina.

    Pioneiro na instalação de equipamentos e criação de políticas públicas de combate a esse tipo de violência, o Estado de São Paulo tem, ao longo desta década, aprimorado suas medidas e tomado novas iniciativas para proteger a mulher em situação vulnerável. O Estado foi o primeiro do Brasil a criar uma delegacia para o atendimento exclusivo de mulheres vítimas de violência. Em 1985, há 31 anos, foi inaugurada na Capital paulista a primeira Delegacia de Defesa da Mulher (DDM).
    Atualmente a maior estrutura policial do País voltada ao atendimento especializado está em São Paulo: 35,8% de todas as DDMs. São 132 delegacias espalhadas por todas as regiões do Estado. Denuncias de violência contra a mulher também podem ser feitas em qualquer delegacia do Estado ou pelo Disque-Denúncia (181). As delegadas de polícia que trabalham nas DDMs participam de cursos e fóruns promovidos por entidades particulares envolvidos no enfrentamento da violência doméstica.

    Reproduzido do Diário de Sorocaba

Nenhum comentário:

Postar um comentário