segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Comando da Guarda Municipal de Salto de Pirapora descumpre Estatuto da Corporação ao escalar guarda gestante

Guarda no Posto de Serviço

    Uma guarda civil municipal que está gestante sentiu-se mal na segunda-feira pela manhã, 27/02, enquanto cumpria escala de serviço em frente o Centro Médico, na região central de Salto de Pirapora.

    A guarda que está no oitavo mês de gestação assumiu o posto de serviço às 07h, por volta das 08h30 ela não suportou à dor e acionou socorro da Santa Casa de Misericórdia. Uma ambulância socorreu a guarda levando-a ao pronto-atendimento daquele hospital.
Guarda Atendida na Santa Casa


    Sorocaba Notícia apurou que a guarda gestante trabalhava de pé, com aproximadamente dez quilos de equipamentos presos ao corpo, não havia água para beber e sem acesso ao sanitário; o final da escala seria às 16h. 

    O fato estrangulou o artigo 125 do Estatuto da Guarda Civil Municipal: Proíbe funcionária gestante ou lactante trabalho em atividades ou operações consideradas insalubre, perigosas ou penosas.

    A equipe clínica da Santa Casa diagnosticou quadro de pressão arterial elevada, após ser medicada a guarda civil Aiala de 28 anos permaneceu naquele hospital sob observação médica. No final da manhã, 27/02, ela recebeu atestado médico e foi levada para sua residência. Sorocaba Notícia tentou falar por telefone com o comandante Camargo, ele não estava na Guarda às 11h30, e seu celular estava desligado.

    Segredo da credibilidade é ser fiel ao fato     

Um comentário:

  1. A Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Salto de Pirapora esclarece, por intermédio do Comando da Guarda Municípal, os fatos noticiados pela imprensa local, referentes à Guarda Civil Aiala Tamantine Almeida Augusto, ocorridos em 27 de fevereiro.
    O Comando da Guarda, preocupado com o bem-estar da servidora pública que se enconta gestante, a retirou da escala normal de plantão dos guardas municipais, conforme processo administrativo nº 1457/2017, protocolado em 22/2, designando a servidora para prestar somente serviços internos em unidade de saúde do município. (Centro Médico), a qual fica anexa a Maternidade Municipal.
    Tal medida se deu em razão da preocupação do Comando em mantê-la em local de trabalho próximo a maternidade, caso necessitasse de atendimento médico imediato.
    Ocorre que nos dias 27 e 28 de fevereiro, a referida unidade de Saúde (Centro Médico), permaneceu fechado, em cumprimento ao Decreto nº 6288/2017, razão pela qual a servidora deveria ter permanecido em casa, usufruindo do descanso previsto no referido decreto, uma vez que não se encontrava obrigada a cumprir a escala normal de serviços dos outros membros da Guarda Municipal.
    Inadvertidamente, no dia 27, segunda-feira, a GCM Aiala, sem consultar o Comando da Guarda Municipal, dirigiu-se ao trabalho normalmente apesar dele estar fechado, e permaneceu na frente da unidade de saúde, mesmo não tendo recebido ordem expressa nesse sentido e estar ciente de que não deveria cumprir o regime normal de plantões da Guarda Municipal.
    Há de se destacar que o Comando da Guarda está atento a regra do artigo 125 do Estatuto dos Servidores, e justamente em razão disso destacou a GCM Aiala para trabalhar no serviço interno do Centro Médico.
    Ao saber que a GCM passou mal, na segunda dia 27 de fevereiro, o Comandante da Guarda dirigiu-se à Santa Casa para esclarecer a situação, informando à GCM Aiala, que em razão do Centro Médico encontrar-se fechado na segunda-feira 27/2, deveria ter permanecido em casa, tal como fez outro guarda municipal destacado para atuar no fórum do Município, e que permaneceu em sua residência em razão do mesmo encontrar-se fechado.
    Por fim o Comandante da Guarda instruiu a GCM Aiala quanto à necessidade de melhorar a comunicação com o Comando, a fim de evitar imprevistos futuros, uma vez que tendo dúvidas quanto ao local de trabalho que estava fechado, deveria ter procurado o Comandante, conforme estabelece o regime disciplinar (Decreto 5445/2008) dos servidores que integram a corporação.
    Alfredo J. Silva - Assessor de Imprensa

    ResponderExcluir