quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Campanha-SP Juntos Podemos Parar o Abuso Sexual nos Transportes


    O secretário da Segurança Pública em exercício, Sérgio Turra Sobrane, participou do lançamento da campanha “Juntos Podemos Parar o Abuso Sexual nos Transportes”, na tarde desta terça-feira, 29/08, no Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), no centro da Capital.
    A campanha foi criada para provocar uma mudança de cultura que estimule vítimas e testemunhas de abuso sexual a denunciarem os agressores para que, dessa maneira, futuras iniciativas do mesmo tipo possam ser inibidas.
    “Nos juntamos agora para chamar a atenção e não deixar haver impunidade, porque a impunidade acaba estimulando esse tipo de comportamento. As mulheres merecem respeito em todas as suas dimensões”, ressaltou o governador Geraldo Alckmin, que também esteve no evento.
    Durante a realização do projeto, serão veiculados cartazes – em todos os meios de transporte público – e vídeos, além de postagens nas redes sociais de todas as instituições participantes.
    Antes do lançamento, diversos seminários foram realizados para sensibilização dos funcionários das empresas de transportes, com objetivo de prepará-los para o atendimento das vítimas.
    “Se a mulher sofrer qualquer tipo de agressão, ela tem que ter a resposta do Estado. Então, é por isso que está havendo esse treinamento e alinhamento das nossas polícias, secretarias e instituições”, explicou o presidente do Tribunal de Justiça, o desembargador Paulo Dimas Mascaretti.
   Outro aspecto importante da campanha são programas de reeducação direcionados aos abusadores, uma vez que apenas a punição nem sempre é suficiente para uma mudança de conduta.
    “As vítimas precisam denunciar e registrar a ocorrência para que nós também possamos aperfeiçoar o sistema de atendimento. Temos adotado um Protocolo Único que unifica e padroniza o acolhimento à mulher vítima de violência doméstica ou sexual”, destacou Sobrane.
    Esse protocolo, resultado de uma parceria entre a SSP e o Ministério Público, foi criado em janeiro deste ano, com o objetivo de trazer mais eficiência nas investigações e na coleta de provas. De acordo com a medida, registros e diligências emergenciais relacionados a esses casos deverão ser feitos mesmo se a vítima estiver sem documento de identidade.
    Além da Secretaria de Segurança Pública, participam da campanha do Tribunal de Justiça: governo e Ministério Público estadual, Prefeitura da Capital, Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), CPTM, EFCJ, EMTU, Metrô, SPTrans, ViaQuatro, secretarias estadual de Transportes Metropolitanos e municipal de Mobilidade e Transportes de São Paulo.
    Reproduzido da Secretaria de Segurança Pública-SP

Nenhum comentário:

Postar um comentário