Restaurantes, Pousadas e Pizzarias

quinta-feira, 5 de abril de 2018

DIG de Sorocaba aponta responsável pela morte da escrivã do 4º DP de Sorocaba

Everton Sem Óculos/Veja Sinal no Lado Esquerdo do Rosto

    DELEGADO SECCIONAL DE SOROCABA Marcelo Carriel juntamente com o delegado titular da Delegacia de Investigações Gerais de Sorocaba, Acácio Aparecido Leite e o assistente da DIG, o delegado Mário Ayres apresentaram quinta-feira pela manhã, 05/04, o indivíduo Everton de Alencar Baldin, 27 anos, apontado como responsável pela morte da carcereira Esmarlei Demétrio da Silva, 56 anos, que exercia função de escrivã no 4º Distrito Policial de Sorocaba.

    A polícia apurou que o indivíduo Everton, que é dependente de entorpecente, trabalhava na reforma da casa da escrivã, no Jardim Novo Horizonte, em Sorocaba, ele sabendo que na manhã de 16 de novembro de 2017 a escrivã pagaria pelos serviços da reforma, ele invadiu a residência dela para roubar dinheiro, como a escrivã reagiu, ele amarrou os pulsos dela e matou-a desferindo golpes com pedaço de madeira e golpes com faca.

    Após assassiná-la ele subtraiu o celular da vítima e aproximadamente R$ 400,00. A linha de investigação inicial de homicídio fora descartada depois que a Polícia soube que o criminoso subtraiu o celular e o dinheiro. A polícia identificou o celular da escrivã sendo utilizado por uma adolescente, que disse ter sido presenteada com o celular pelo seu namorado. 

    A partir dai a polícia soube que um rapaz que tinha um sinal no lado esquerdo do rosto teria vendido o celular por R$ 200,00 numa "boca de fumo" em Sorocaba (celular custava R$ 2 mil, vendido por R$ 200,00). Verificando arquivo de fotos de delinquentes, a polícia chegou ao Everton que tem um sinal do lado esquerdo do rosto. Quem adquiriu o celular na boca de fumo afirmou que foi o Everton que vendeu o celular.

    Everton esteve preso três anos por ter sido condenado a 09 anos de reclusão porque cometeu tráfico de droga; ele cumpriu um terço da pena e ganhou à liberdade. A polícia o interrogou e Everton negou qualquer responsabilidade pelo crime contra escrivã. O delegado Acácio Leite define que Everton é indivíduo de natureza " dissimulada e fria"; ele afirma isso porque quando encontraram o corpo da escrivã no interior da residência dela, Everton estava lá e ele chorou copiosamente demonstrando mais comoção que a filha da escrivã.

    Com fortes indícios em mãos, a polícia pediu a prisão temporária de Everton. A Justiça de Sorocaba mandou prendê-lo. No final de fevereiro a polícia prendeu Everton e por haver algumas pendências de elementos da investigação, foi necessário solicitar renovação da prisão temporária por mais 30 dias. Conforme alegação do delegado Acácio, o inquérito de latrocínio último parágrafo do artigo 157 do Código Penal (roubo seguido de morte) será relatado até dia 15 de abril e pedirá conversão da prisão temporária em prisão preventiva.

    Segredo da credibilidade é ser fiel ao fato

Nenhum comentário:

Postar um comentário