sábado, 7 de abril de 2018

Mayara Rodrigues que sofreu acidente com a mãe em Salto de Pirapora é liberada do Hospital

Mãe de Camiseta Amarela e a Filha em Casa

    ESTÁ EM CASA a segunda vítima do acidente na noite de 04 de março deste ano, quando um veículo atropelou Lucia Aparecida Oliveira e a filha dela Mayara Aparecida de Oliveira Rodrigues, enquanto caminhavam pela Rua Elias dos Santos, no Jardim São Paulo, em Salto de Pirapora.

    Lúcia Aparecida esteve 14 dias internada e recebeu alta no dia 18 de março. Na quinta-feira à noite, 05/04, foi a vez de Mayara Aparecida ser liberada para continuar tratamento de recuperação em sua residência situada à margem da Rodovia Francisco José Ayub (SP 264 em frente ao Posto Bravus), Bairro Ourives, em Salto de Pirapora. Relembre o caso abaixo.


Mãe e filha sofrem acidente grave em Salto de Pirapora; ambas foram internadas no Hospital Regional em Sorocaba


    VEÍCULO HB 20de cor branco transitou pela Rua Elias dos Santos, Jardim São Paulo, em Salto de Pirapora e atropelou mãe e filha: Lucia Aparecida de Oliveira (mãe) e Mayara Aparecida de Oliveira Rodrigues. O condutor não prestou socorro e fugiu do local do acidente.

As vítimas foram levadas ao pronto-socorro da Santa Casa de Salto de Pirapora. Mayara apresentou quadro de multiplas fraturas sendo uma fratura exposta, sua mãe apresentou sangramento pelo ouvido. As duas foram transferidas ao Hospital Regional de Sorocaba. 

    O acidente ocorreu no início da madrugada de domingo, 04/03. Policiais militares realizaram averiguação por meio de câmeras e informação de testemunha ocular, e chegaram na residência de Pedro de Barros Filho, no Jardim Luar, na mesma cidade.

    De acordo com informação da polícia, o suspeito Pedro de Barros apresentou sinais que havia ingerido bebida alcoolica: frases desconexas, odor etílico e fala pastosa. Pedro de Barros disse aos policiais, que seu veículo HB 20 de cor branco estava guardado na garagem de uma chácara onde sua mãe reside. A polícia foi na casa da mãe dele e apreendeu o automóvel.

    Na Delegacia da cidade, Pedro de Barros afirmou que ele comprou um fardo de bebida alcoolica e dirigiu seu carro com destino a uma festa no Bairro Morro Branco, durante o trajeto seu carro atropelou duas pessoas. Ele acrescentou que desceu do carro e indagou as vitimas a respeito da integridade física delas, segundo ele as vitimas disseram que estavam "bem". Pedro Barros disse que contonuou em direção à festa e que ingeriu bebida alcoolica durante a festa. 

    Orientado por advogado, o averiguado Pedro Barros não aceitou ser submetido ao teste de dosagem alcoolica. O delegado Gilberto Montenegro Costa Filho apreendeu o veículo e a CNH de Pedro Barros. Registrou ocorrência de embriaguez ao volante artigo 306 do Código de Trânsito Brasileiro; lesão corporal culposa na condução de veículo automotor artigo 303 do C.T.B. e omissão de socorro artigo 304 do Código de Trânsito Brasileiro, em seguida liberou o condutor Pedro Barros.

     - Não houve flagrante: os policiais militares identificaram e conduziram o condutor do automóvel horas depois do acidente. O veículo estava em outra residência; e mais, não havia prova técnica que o condutor conduziu o veículo sob efeito de bebida alcoolica. O inquérito poderá revelar precisamente todas as circunstâncias do acidente; disse o delegado Gilberto Montenegro.

    Segredo da credibilidade é ser fiel ao fato

Nenhum comentário:

Postar um comentário