quinta-feira, 17 de maio de 2018

Desfecho do Crime - Condenado no Júri Popular em Pilar do Sul sai da sessão algemado e levado ao Sistema Penal


    ACUSADO por tentativa de homicídio artigo 121 combinado com artigo 14, ambos do Código Penal), Aderson Aparecido de Almeida sentou-se no banco dos réus em Pilar do Sul e ao termino da sessão saiu algemado e levado ao Sistema Penal.

    A promotora de justiça Patricia Manzella Trita manteve tese de acusação nos termos da denúncia. O advogado José Carlos Bachir defendeu inocência do acusado, que desde a instrução criminal afirmava ser inocente pois segundo ele não esteve no local dos fatos. Os jurados deliberaram pela condenação. 

    O juiz Ricardo Galvão impôs condenação por 09 anos e 04 meses de reclusão em regime inicial fechado e decretou a prisão do réu. Aderson esteve solto durante o inquérito e na primeira fase do processo (réu solto).

                 Dinâmica dos fatos

    Em 09 de maio de 2013, o rapaz Anderson Aparecido de Almeida (filho do condenado Aderson) participava de uma festa num imóvel localizado na Rua Santo Antonio, Centro de Pilar do Sul, por motivo passional Anderson Almeida discutiu com Leandro Firmino de Campos e tentaram agressão mútua, mas não aconteceu por intervenção de terceiros.

   Ao término da festa os dois e os demais participantes saíram do local, em plena rua ambos reiniciaram a discussão e houve confronto físico, o pai de Anderson Almeida, o Aderson Aparecido (agora condenado) foi buscar o filho Anderson Almeida e viu seu filho brigando com o desafeto Leandro. 

    Aderson Almeida (agora condenado) armou-se com um objeto pontiagudo (depois soube-se ser chave de fenda) e desferiu golpes em Leandro. Depois disso pai e filho fugiram. Todos envolvidos são da mesma cidade. Plenária do júri ocorreu quinta-feira, 17/05. 

    Quem comete crime está sujeito a pão de angústia e água de amargura  

Nenhum comentário:

Postar um comentário