Restaurantes, Pousadas e Pizzarias

quinta-feira, 14 de junho de 2018

Homem responde inquérito na Delegacia de Salto de Pirapora por caluniar e difamar Posto de Combustíveis


    INÍCIO DE JUNHO DESTE ANO, José Renato de Andrade, 27 anos, residente no Bairro Ourives, Salto de Pirapora, cometeu duas reprováveis atitudes que resultaram em queixa-crime e inquérito artigo 138 do Código Penal, na Delegacia de Salto de Pirapora.

    Circulou um vídeo nos grupos de whatsapp em que José Renato aparecia mostrando uma garrafa pet contendo um líquido que José Renato afirmava ser gasolina misturada com água, e que o suposto "combustível adulterado" teria sido comprado no Auto Posto Roberta, estabelecido no Bairro Campo Largo, em Salto de Pirapora.

    Assim que tomou conhecimento dos fatos, os empresário, Gilcéia e Beto Benedetti, sentiram prejuízos que vão além da seara patrimonial, eis que os danos atingiram a honra e o bom nome tanto da pessoa jurídica quanto das pessoas físicas que representam o Auto Posto Roberta. Percebendo seu comércio prejudicado e atormentada com a dor e demais consequências negativas, a empresária Gilcéia procurou a Delegacia de Polícia e registrou queixa de calúnia e difamação. O setor de investigação da Polícia trabalhou no caso e identificou José Renato. Intimado a prestar declarações na Delegacia da cidade, José Renato compareceu acompanhado de uma advogada. Ao ser interrogado a respeito dos fatos, ele confessou que produziu o vídeo e publicou nos grupos de whatsapp.

    José Renato alegou que  sua filha apresentava quadro febril e por isso precisava ser levada ao médico, ele pediu gasolina emprestada a um amigo dele. Indo para Sorocaba seu carro apresentou pane técnica, supostamente por causa da má qualidade do combustível. Afirma que isto lhe aborreceu, deixando-o muito irritado, razão pela qual decidiu fazer o vídeo, sem pensar nas consequências devastadoras do mesmo. Segundo ele, seu amigo possui dois carros e costuma abastecer no referido Auto Posto Roberta.  

    No dia seguinte, José Renato verificou que a gasolina era misturada com água. Sem procurar saber com certeza qual a origem do "combustível adulterado", José Renato produziu o vídeo e publicou.

    Após publicar o vídeo, que tornou-se "febre na internet", José Renato alega que em dado momento veio a saber que o combustível emprestado pelo amigo fora comprado num posto de combustíveis em Sorocaba. Ele produziu outro vídeo citando seu engano e pedindo desculpa ao Auto Posto Roberta. 

    Os empresários instados a comentar os fatos, foram incisivos no sentido de que a dor e mazelas oriundas dos atos de José Renato não tem perdão e que já acionaram o corpo jurídico que os representa a tomar as medidas judiciais cabíveis. Gilcéia acentuou, ainda, que desde a propagação dos vídeos vem sofrendo profundamente, eis que está tendo dificuldades para dormir, comer e exercer as atividades laborativas cotidiana, fato este que a obrigou a procurar tratamento médico.

    As advogadas, Flaviane Canalle e Luciane Canalle, do escritório Canalle Advocacia, esclareceram que a ação para reparação integral dos danos já está sendo pauta da rotina profissional e que em breve será ajuizada. Por fim, as advogadas alertaram a população acerca do uso indevido das ferramentas disponíveis na internet, afirmando que qualquer atitude precisa ser pensada e empregada com bom senso antes de ser lançada nos aplicativos de comunicação, sob pena de responder civil e criminalmente por seus atos.


   
                       Segredo da credibilidade é ser fiel ao fato


    

Nenhum comentário:

Postar um comentário