segunda-feira, 11 de junho de 2018

Plantão Judiciário liberta acusado de roubar moto de evangélico em Araçoiaba da Serra

Wagner Lopes

    AUDIÊNCIA DE CUSTÓDIA no Fórum de Sorocaba, Ministério Público e Defensoria Pública entenderam inexistência de flagrante e pediram relaxamento de prisão do preso Wagner Lopes de Souza, 42 anos, conhecido por "Paulista", morador do Portal de Pirapora, em Salto de Pirapora, preso sábado à noite, 09/06, acusado de em companhia de outro indivíduo roubar: moto, celular e bíblia de um evangélico no Bairro Jundiacanga, em Araçoiaba da Serra.

    O juiz Leonardo Guilherme Widmann também entendeu que não houve flagrante, porque a moto e demais pertences roubados estavam sob responsabilidade de Everton, apelidado por "Gauchinho" que mora no Bairro da Barra, suspeito de agir com Wagner Lopes.  

    O magistrado ainda entendeu não haver precisão de tempo para os guardas agirem depois do crime. O juiz ainda considerou ilícita a prova do reconhecimento pelo dono da moto, porque segundo o juiz, Wagner Lopes fora levado contra sua vontade, sendo exercido força física por parte dos guardas para conduzi-lo ao local objetivando reconhecimento pelo proprietário da moto. Wagner Lopes responderá o processo em liberdade no Fórum de Sorocaba, que é jurisdição de Araçoiaba da Serra (distrito da culpa).  Everton está em liberdade. Polícia investiga participação dele no roubo.  


    Neste caso tanto o promotor(a) de justiça como defensor(a) público e o juiz atentaram para o que pode ser considerado "impossível" precisar tempo: minutos ou hora após o crime, que os guardas iniciaram diligência pretendendo prender o autor do roubo; outro ponto "divergente" é não considerar que a vítima reconheceu Wagner Lopes como sendo o indivíduo que estava na garupa da moto e anunciou assalto. O teor do despacho nos faz acreditar que o juiz entendeu que deveria prender Everton, Gauchinho e não o Wagner Lopes. Leia caso abaixo.


Atuação Sangue Azul: ladrão de moto em Araçoiaba "dançou 157"

Ele Dançou 157

    EVANGÉLICO em sua motocicleta, sábado à noite, 09/06, transitava pela Estrada do Cercado, no Bairro Jundiacanga, onde ele mora em Araçoiaba da Serra. 

    Dois indivíduos sem capacete em outra moto, sem placa, o condutor emparelhou a moto, o indivíduo que estava na garupa simulou que estava armado e anunciou assalto. O evangélico entregou sua moto, seu celular e uma bíblia.

     O indivíduo que simulou estar armado desceu da moto, montou na moto do evangélico e conduziu a moto rumo à Estrada da Barra. O comparsa seguiu atrás. Rapidamente o evangélico acionou a Guarda Civil Municipal e informou o caso, as características dos ladrões e a direção que fugiram.
 

    Guardas civis saíram em diligência e após ouvirem informações de populares chegaram na garagem de uma residência ao lado do "Bar do Alemão", na Estrada da Barra e avistaram duas motos no interior da garagem: a moto sem placa utilizada pelos ladrões e a moto roubada.

    O homem que estava no bar chamou Wagner Lopes de Souza e este afirmou que dois indivíduos desconhecidos chegaram naquele bar e pediram para deixar as motos, um celular e uma bíblia. A guarnição relatou a respeito do roubo e solicitou para Wagner acompanhar a guarnição para que o evangélico dono da moto fizesse reconhecimento; Wagner recusou ir com a guarnição.

    Diante da recusa, a guarnição solicitou apoio da Guarda de Salto de Pirapora sendo necessário utilização de força moderada para conter, algemar e levá-lo para viatura. Depois disso o evangélico reconheceu Wagner como sendo o indivíduo que estava na garupa da moto e simulou que portava arma para consumar o assalto. O caso foi apresentado na Delegacia de Salto de Pirapora. 

    O delegado Gilberto Montenegro Costa Filho entendeu que a versão apresentada por Wagner não merecia credibilidade, porque o evangélico (vítima) reconheceu Wagner como um dos autores do assalto, ademais, os objetos roubados e a motocicleta estavam sob responsabilidade de Wagner.

    Wagner Lopes fora recolhido em prisão por roubo artigo 157 do Código Penal (audiência de custódia). A motocicleta sem placa utilizada para cometer o assalto está apreendida. A moto roubada já foi devolvida ao evangélico. Polícia vai investigar o suposto comparsa Everton, apelidado por Gauchinho, que reside no Bairro da Barra, ele é suspeito de agir com Wagner Lopes.

    Notícia sem detalhe não é verdadeira, é suposição! 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário