quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Guarda Municipal de Votorantim vai trabalhar armada


    REGULAMENTAÇÃO para armar a Guarda Municipal de Votorantim está feita e as armas devem chegar às mãos dos guardas em cerca de 30 dias, segundo estimativa do secretário de Planejamento e Desenvolvimento e de Governo, Carlos Laino. 

    “As armas já estão compradas, já foi feita licitação, agora só falta mesmo chegar o armamento para os guardas que estão efetivamente incorporados na Guarda Municipal hoje”, explica.


    “Era um anseio nosso de longa data, mas só conseguimos colocar em prática nessa gestão”, destaca o comandante da Guarda, Weslley da Silva Cordeiro. “O prefeito Fernando Oliveira Souza expressou essa preocupação logo no início da gestão e nos deu autonomia para buscar a possibilidade de armar a GM. E nós fomos atrás para cumprir os requisitos necessários no Exército e na Policial Federal”, explica.

Atualmente, apenas sete guardas municipais atuam na cidade. O comandante da Guarda conta que as atividades da corporação se iniciaram em 2012 com 30 agentes. “Na última administração, aconteceram 23 exonerações, entre 2013 e 2016. Eram 20 homens e 10 mulheres. Todas as mulheres se exoneraram, inclusive. Os motivos foram diversos: alguns passaram em outros concursos, alguns não se adaptaram”, destaca.

O secretário Laino afirma que sete agentes não são suficientes para o patrulhamento, mas que os guardas atuais se desdobram e tem feito um trabalho efetivo no município. “Tecnicamente eles também têm papel de fiscal de posturas, ou seja, eles podem autuar qualquer anormalidade dentro do município. Desde antes da eleição, já estava no plano de governo o aumento do efetivo dentro do município, pois a gente entende que é um auxílio muito importante, principalmente na preservação do patrimônio dos prédios municipais, que é a função principal da Guarda Municipal. A GM também presta suporte para a Polícia Militar, não na parte ostensiva, mas principalmente na questão de trânsito, na questão de grandes eventos, entre outros”, relata Laino.

Cordeiro ainda cita outras funções da Guarda Municipal: “temos um plano de patrulhamento preventivo, efetuamos policiamentos na cidade em escolas, postos de saúde, locais do gênero, além de agir em ocorrências, como acidentes de trânsito e questões ambientais”.
 
            Gestão atual prevê 50 guardas atuando até o final do mandato

    Em dezembro do ano passado, a auxiliar administrativa Débora Rodrigues Silva Albuquerque, de 30 anos, que mora no bairro Votorantim Park 1, fez a prova do concurso para a GM. Ela passou em todas as fases e aguarda ser chamada, mas, até agora, não teve nenhuma resposta sobre quando isso deve acontecer.

    “O concurso para a GM é mais complexo porque tem diversas fases. Já foi feito o teste de avaliação intelectual, física e psicológica. Agora, falta fazer o curso de formação. A carga horária do curso é de mais ou menos cinco meses”, diz Cordeiro sobre a demora em chamar os selecionados para atuarem na Guarda.

   “Houve contestação de algumas pessoas que fizeram o concurso. Essas contestações estão sendo analisadas, mas tudo está correndo mais ou menos dentro do que a gente tinha programado. Ainda não é uma previsão exata de quando essas pessoas devem ser chamadas, isso demora alguns meses, é para o ano que vem”, estima Laino.

    Débora afirma que está ansiosa para integrar logo a GM. “O teste de aptidão física foi muito puxado, muitas pessoas reclamaram. Mas, do meu ponto de vista, tem que ser assim para aguentar nessa profissão. Então, logo que saiu o resultado da avaliação psicológica eu pedi demissão do trabalho, onde estava há três anos, para me preparar melhor, porque eu achei que seria chamada logo para fazer o curso de formação. A ansiedade é muita”, relata.

    O secretário Laino estima que, até o final da gestão atual, a GM deve ser composta por 50 agentes. “O impacto na cidade será muito grande. É um acréscimo, se você for colocar matematicamente, você vai ter um guarda para cada 2400 munícipes. Ainda não é o ideal, mas você já dá uma sensação maior e uma ação maior de segurança na cidade”, conclui.

Reportagem publicada na edição n°286 da Gazeta de Votorantim de 22 a 28 de 2018, página 07.

Nenhum comentário:

Postar um comentário