terça-feira, 23 de outubro de 2018

Confronto balístico é prova técnica fundamental para desarquivar inquérito que apurava morte violenta de Hugo Luís de Almeida em Pilar do Sul


    INÍCIO DA MADRUGADA DE 2013, Hugo Luis de Almeida caminhava pela calçada da Praça de Esportes Professora Maria Helena Alves, uma motocicleta se aproximou dele, o garupa desceu da moto caminhou em direção ao Hugo e sacou uma arma disparando-a atingindo o rosto de Hugo. Depois do crime o indivíduo montou na garupa da moto e ambos fugiram.

    Durante a investigação a polícia ouviu relatos de testemunhas protegidas pelo provimento 32 da Corregedoria Geral de Justiça, que Os irmãos Josias Pedroso da Silva e Jonatas Pedroso da Silva, conhecidos como patrões do tráfico no Bairro Santa Cecília, em Pilar do Sul, eram suspeitos pela morte, porque Hugo era dependente de droga, e teria comprado drogas dos dois irmãos e não teria pago. Antes de sofrer o tiro, Hugo comentara que Josias e Jonatas pretendiam lhe "pagar".

    Com base nas informações das testemunhas, a polícia conseguiu autorização da Justiça para realizar buscas nas residências de Josias e Jonatas, mas a polícia não localizou a arma e nem prova que pudesse incriminá-los. O Instituto Médico Legal retirou o projetil que provocou a morte de Hugo e a polícia guardou o projetil. Em abril de 2015 o inquérito foi arquivado.

    Em maio de 2017 (dois anos depois do inquérito arquivado), policiais civis e militares foram apurar denúncia numa casa no Jardim Máximo, em Pilar do Sul, onde estaria homiziada uma pessoa procurada pela Justiça. Durante averiguação as equipes encontraram no referido imóvel grande quantidade de drogas e um revólver calibre 32. Prenderam o responsável pela droga, o indivíduo Josué Pedroso da Silva, irmão de Josias e Jonatas. 

    O revólver calibre 32 foi encaminhado para confronto  balístico com o projetil retirado do corpo da vítima. O resultado revelou que o projetil saiu do revólver calibre 32 pertencente ao Josué. Com o resultado em mãos, o delegado Milton Andreoli pediu desarquivamento do inquérito e indiciou os três irmãos Josias, Jonatas e Josué como responsáveis pela morte violenta de Hugo. A representante do Ministério Público analisou o relatório em agosto deste ano e denunciou somente Josué Pedroso.

    Não dá para viver sem notícia!

Nenhum comentário:

Postar um comentário