quarta-feira, 15 de maio de 2019

Piedade - Que maracutaia cometeu o advogado Renato Lima Jr ao ponto de ser exonerado; por que Prefeitura não esclarece os fatos, existiria mais peixe grande envolvido?

Renato Lima

    PIEDADE é um município em que muita coisa acontece. Naquele município a Justiça já prendeu guarda municipal, vereador, investigador de polícia e delegado de polícia; todos suspeitos de envolvimento em ilícito.

    No final de abril deste ano, o Jornal do Município publicou a portaria nº 23431/2019 assinada pelo prefeito em exercício Alvaro Francisco Figueiredo Júnior, mais conhecido por Júnior, exonerando o procurador do município Renato Lima Júnior. A publicação: "Aplica penalidade de demissão ao servidor Renato Lima Júnior do cargo de procurador jurídico, a partir de 29 de abril de 2019".

    Sabe-se por meio de fonte crível, que o advogado exonerado comentou não aceitar seu caso publicado pela imprensa porque se isso acontecesse ele abriria a boca a respeito da conduta de muita gente grande na Prefeitura de Piedade. 

    O caso é tratado sob absoluto sigilo pela Prefeitura, ao ser indagada a respeito do que aconteceu, a resposta é que as informações constam na portaria que publicou a demissão. Mas, a portaria não revela os fatos atribuídos ao advogado Renato Lima.

    Existe comentário quente em diversas camadas da sociedade que o advogado Renato Lima teria subtraído dinheiro da Prefeitura; outro comentário é que o advogado teria formado um esquema para desfalcar os cofres da Prefeitura, e outros servidores do alto escalão estariam envolvidos. 

    Ora, se a Prefeitura por meio de comissão processante identificou conduta passível de punição e assim o fez exonerando o advogado, é vero que algum tipo de prejuízo gerou ao Município, portanto é dever da Prefeitura esclarecer ou informar por meio da mídia ou veículo oficial de informação, o que de fato ocorreu e o prejuízo gerado ao erário. 

    A conduta da Prefeitura é no mínimo esdrúxula e sem transparência. Se houve apropriação é peculato, e isso deve ser instaurado inquérito na Polícia Civil, no entanto a Delegacia não informa haver inquérito visando apurar conduta desse tipo. Será que existe mais peixe grande envolvido e por isso a Prefeitura optou em não informar os fatos? 

    Houve contato via telefone com o advogado Abner Teixeira de Carvalho defensor de Renato Lima, mas o advogado Abner não retornou ligação. Sorocaba Notícia oferece à Prefeitura espaço destinado a esclarecimento ou relatar a conduta do servidor que resultou em prejuízo, e a consequência da conduta culminou em exoneração. O mesmo espaço é reservado ao advogado exonerado caso pretenda expor o que entender necessário.
  
    Merece Reflexão   

Nenhum comentário:

Postar um comentário