quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

Estado-SP - Polícia Técnico-Científica comemora 22 anos: Sem perícia criminal não há culpados nem inocentes


    A SUPERINTENDÊNCIA DA POLÍCIA TÉCNICO-CIENTÍFICA (SPTC) realizou na manhã de quarta-feira, 19/02, uma solenidade em comemoração aos 22 anos da instituição. O secretário da Segurança Pública, general João Camilo Pires de Campos, prestigiou o evento e foi agraciado com a Medalha Mário Covas.

“Na sala do superintendente, o perito criminal Maurício Rodrigues Costa, existe uma placa que diz: sem perícia criminal não há culpados e nem inocentes. Quem faz esse trabalho, na elaboração dos laudos das perícias, protege pessoas, patrimônios, sonhos e esperanças. A segurança pública se faz com gestão de conhecimento, empenho da tecnologia e, principalmente, com a valorização das pessoas”, ressaltou o secretário durante a cerimônia.

A unidade foi criada oficialmente em 1998, pelo então governador Mário Covas, para administrar as perícias criminalísticas e médico-legais realizadas em todo o Estado. Antes disso, os institutos de Criminalística (IC) e Médico Legal (IML) eram subordinados à Polícia Civil.

Com a função de auxiliar a Polícia Civil e o Sistema Judiciário, a SPTC se destaca como a maior polícia técnica do país sendo, inclusive, referência em toda América Latina no que diz respeito à produção de provas técnicas e periciais. “Esses profissionais nasceram para prestar um serviço público da maior dignidade, com coragem e disciplina”, completou o secretário da SSP.

    O resultado do trabalho da Polícia Científica é evidenciado no laudo pericial, que contribui para a convicção da sentença a ser proferida pela Justiça. Mesmo com a confissão do criminoso, ela é a principal fonte da Justiça no estabelecimento de sanções, penas e indenizações.

    Atualmente, a SPTC é dirigida pelo perito criminal Mauricio Rodrigues Costa, que fez questão de aproveitar a ocasião para agradecer a todos os profissionais da Polícia Científica pelo trabalho realizado. “Eu tenho muito orgulho de estar junto dos senhores, profissionais de primeira ordem. Esse é o grande trabalho da Polícia Científica: fazer bons laudos. Tenho visto isso a cada dia, estamos melhorando e, com vários recursos e modificações, vamos melhorar ainda mais.”
                
                           Estrutura e produtividade

    A SPTC é integrada pelos centenários Instituto de Criminalística e Instituto Médico Legal, criados em 1924 e 1986, respectivamente, além de Divisão Administrativa e Núcleo de Recursos Humanos. Ambos os institutos são compostos por um Núcleo de Apoio Logístico e um Administrativo; e Centro de Exames, Análises e Pesquisas e de Perícia.

    A cargo do IC ficam os exames de locais de crime, materiais, objetos, instrumentos e outras peças correlacionadas e os laboratórios de análises e pesquisas, enquanto o IML é responsável pelos exames necroscópicos, médico-legal e laboratórios de toxicologia forense, antropologia e anatomia patológica.

    Ao longo de 2019, entre janeiro e dezembro, os institutos expediram quase 940 mil laudos. Do total, foram 486.439 laudos expedidos pelo IC e 453.083 pelo IML, sendo 418.603 de clínica médica e 34.480 necroscópico.

    Reproduzido da Secretaria de Segurança Pública-SP

Nenhum comentário:

Postar um comentário