segunda-feira, 11 de abril de 2022

Estado-SP - Câmeras corporais reduz resistência de abordados e minimiza possibilidade de cofronto com policiais

     LEVANTAMENTO DA POLÍCIA MILITAR de São Paulo revela que o uso das câmeras operacionais portáteis (COP) contribui diretamente para ampliar a segurança dos policiais em serviço. De acordo com os dados analisados, entre os meses de junho e outubro, ao longo dos últimos três anos (2019-2021), as ocorrências de resistência às abordagens policiais caíram 32,7% nos batalhões que utilizam os equipamentos. A queda é 13 pontos percentuais mais acentuada do que a observada em unidades que não contam com a tecnologia, que caiu 19,2% no mesmo período.

    Outro dado que chama atenção na análise é a redução no número de confrontos, preservando diretamente a vida dos policiais. Entre os batalhões que contam as câmeras acopladas aos uniformes, a redução dessas ocorrências foi de 87% - resultado 10 vezes mais expressivo do que o apurado nas unidades que não dispõem das bodycams.

    Embora associada à redução do uso da força e da letalidade policial, as câmeras corporais despontam também como um importante instrumento de defesa e segurança do policial. Mais do que o efeito dissuasor das COP frente aos criminosos, a tecnologia embarcada nos dispositivos utilizados pela PM paulista, que permite transmissão de áudio e vídeo em tempo real, bem como a localização via GPS, garante uma análise detalhada do cenário de atuação dos policiais em situações de risco e/ou emergência. 

                Produtividade

    Relevantes na proteção jurídica e física dos policiais, as câmeras operacionais portáteis também contribuem para a ampliação da produtividade operacional. De acordo com os dados analisados pela PM paulista, os números de flagrantes e de apreensões de armas de fogo foram 41,4% e 12,9% maiores, respectivamente, entre os batalhões equipados com câmeras.

    Reproduzido da Secretaria de Segurança-SP

Nenhum comentário:

Postar um comentário